Amor incondicional, o nosso trabalho e o trabalho dos outros, segundo Byron Katie

Nosso trabalho é amor incondicional. O trabalho de todos os demais é nos provocar.
– BYRON KATIE

Colocado assim, parece mais fácil de ver. Atenua ou mesmo dissolve o reflexo condicionado que temos de criar repulsa à “provocação” dos outros. Na frase original em inglês, Byron Katie usa a expressão “push our buttons“, que seria literalmente “apertar nossos botões“, uma metáfora que se refere àqueles pontos específicos que doem em nós, ou àqueles pontos que doem especificamente em nós. Porque é aquilo que precisamos resolver, curar, desenvolver, expandir. Em direção ao amor incondicional, que seria uma espécie de “comportamento final” com todos os seres.

Então não são exatamente provocações DOS OUTROS. Uma pessoa diz que “somos nós mesmos que nos provocamos, através dos outros“. Não é? O que Byron Katie está fazendo é revertendo o sentido que damos a essas provocações, dizendo que há um sentido positivo, muito positivo. E assim a frase praticamente se torna um convite a ver essas chamadas provocações de um outro ponto de vista, do ponto de vista do próprio caminho de auto-conhecimento, expansão, descoberta, desenvolvimento.

A autora e terapeuta Byron Katie é especialista e tem um método (chamado “The Work”) para revelar como aquilo que interpretamos como provocações é nossa própria limitação se mostrando, através daquilo que nos chama atenção no comportamento do outro. Inclusive o primeiro passo do método dela consiste justamente de escrever num papel aquilo que nos incomoda nos outros, a partir de um exemplo real.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
O paradoxo da oração na visão do jornalista anti-teísta (e irônico) Christopher Hitchens: rezar para quem e por que?
Esse trecho do livro “Últimas Palavras” (Mortality, 2011, GloboLivros), do jornalista anti-teísta...
Read More
Join the Conversation

1 Comment

  1. says: Aparecida

    Abriu minha mente,
    de verdade!
    Lembrei das brincadeiras quando criança, eram inseguranças que já tinha e o por isso me afetava. Quando alguém comentava sobre algo que eu sabia gostar ou não era limitada, eu brincava junto e não ligava.

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *