Conselho simples de Phakchok Rinpoche para quando embarcamos nas emoções

“Minha recomendação é muito simples. Não embarque demais nas suas emoções. Vou lhe dar um exemplo, algumas vezes você realmente não quer sentar e meditar…. Mas faça! Sente-se! Corte o barato das emoções que estão falando “quero isso” ou “não quero aquilo”. Acabe com todos esses bloqueios. Aí você vai se tornar mais você mesmo. Você se torna digno, porque você tomou a dianteira da sua vida, não suas emoções”.
– PHAKCHOK RINPOCHE

O assunto das emoções é um pouco controverso, mas aqui está bem claro, pois Phakchok Rinpoche se dirige às emoções que são bloqueadoras. E nós sabemos quando elas se manifestam como bloqueios: geralmente é quando não fazemos algo por causa delas. Elas aparecem como obstáculos a uma ação simples. Emperram, resistem, ou exigem, controlam. Sabemos que algo deve ser feito, que é “a coisa certa” a ser feita, mas aí elas embaçam. O exemplo da meditação é perfeito. E o que Phakchok recomenda é apenas não embarcar demais nelas. E para não embarcamos, temos que estar conscientes delas, sempre que aparecem.

Tudo sempre retorna à nossa capacidade de estarmos despertos, né? À meditação, à presença com consciência interna. Sem isso, realmente fica difícil andar pra frente.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Mesmo se você pudesse parar seus pensamentos, você não estaria meditando: 7 máximas de Yongey Mingyur Rinpoche
No caminho do auto-conhecimento e na prática da meditação, ensinamentos e esclarecimentos...
Read More
Join the Conversation

1 Comment

  1. says: Tasso Lago

    “para não embarcarmos temos que estar conscientes delas”, achei essa frase perfeita e irei levar para a vida.
    Tenho muito costume de não fazer as coisas porque não me encontro presente na realidade por pensar demais e dar ouvidos as emoções.
    É algo que quero praticar.

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.