Chogyam Trungpa: “Se pudermos aceitar nossas imperfeições como são, podemos usá-las como parte do caminho”

chogyam-trungpa-ordinarioHá duas semanas, o Dharmalog compartilhou uma frase do célebre mestre budista Chögyam Trungpa Rinpoche (1939-1987), que dizia: “Se você tem um pneu furado, isso também é parte da jornada“. A frase faz parte de uma entrevista de Trungpa que está contida no livro “The Myth of Freedom“, e é parte da coletânea definitiva do mestre, “The Collected Works of Chögyam Trungpa” — que reúne também os livros “Cutting Through Spiritual Materialism”, “The Heart of the Buddha” e “Selected Writings” (Shambhala Publications, 2003). A resposta inteira de Trungpa onde ele usa a frase do pneu furado segue abaixo, junto de um outro trecho que também serve a um propósito semelhante: o de aceitar as coisas e os acontecimentos como eles são, como parte do caminho, sem querer apressar nem manipular.

A frase foi originalmente publicada com a intenção de lembrar a data de falecimento de Chögyam Trungpa, em 4 de abril de 1987.

Os dois trechos estão abaixo:

[1]

Pergunta: Às vezes sinto que tenho bloqueios espirituais… O que você sugere que eu faça? Há algumas períodos em que sinto que não estou fazendo nenhum progresso espiritual. (…)
CHOGYAM TRUNGPA: “Parece que há um problema em pensar que supostamente você deveria estar avançando no caminho o tempo todo. Você não tem que estar constantemente na estrada, necessariamente. Em outras palavras, se você tem um pneu furado, isso também é parte da jornada. Você está chegando perto do seu objetivo. Então eu suponho que é uma certa ambição que faz com que você sinta que não está fazendo nada. Parece existir uma qualidade hipnótica na ambição e na velocidade, de modo que você se sente parado só porque você quer ir muito rápido.”
Chögyam Trungpa Rinpoche, em “The Myth of Freedom” (pg.543)

[2]

“Temos que querer ser pessoas completamente ordinárias, o que significa nos aceitar como somos sem tentar nos tornar maiores, mais puros, mais espirituais, mais visionários. Se pudermos aceitar nossas imperfeições como elas são, bem ordinárias, então podemos usá-las como parte do caminho. Mas se tentarmos nos livrar de nossas imperfeições, então elas serão inimigas, obstáculos no caminho para nosso “auto-aperfeiçoamento”. E a mesma coisa é verdade para a respiração. Se pudermos vê-la como é, sem tentar usá-la para nos melhorarmos, então ela se torna uma parte do caminho porque não estamos mais usando-a como ferramenta para nossa ambição pessoal”.
Chögyam Trungpa Rinpoche, em “The Myth of Freedom” (pg.216)

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
You are the music while
You are the music while the music lasts. T. S. Eliot.
Read More
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *