“Eu só poderia crer em um Deus que soubesse dançar”: Assim Falava o sábio Zaratustra de Nietzsche

nietzsche2A clássica obra “Assim Falou Zaratustra, um Livro para Todos e para Ninguém” (Also Sprach Zarathustra, Ein Buch für Alle und Keinen, 1883-85), do filósofo alemão Friederich Nietzsche (1844-1900), é um instigante discurso filosófico em forma poética, com trechos ricos sobre a vida e os propósitos do homem (o “super-homem”), e com máximas como a famosa “Deus está morto” (não o Deus verdadeiro, como disse Osho, para quem Nietzsche foi o maior filósofo da história, mas “o Deus inventado pela mente humana”). No trecho abaixo, da primeira parte, capítulo “Ler e Escrever”, Nietzsche encarapuça o sábio Zaratustra, ou Zoroastro, em forma nova, evoluída, devoto incondicional da verdade, e discorre a respeito do fardo da vida, do conceito de felicidade e da leveza do Deus que dança, e que mata seu demônio pessoal, que é “sério, grave, o espírito do pesadelo”.

Segue o trecho do capítulo, que pode ser lido na íntegra neste link.

“Vós dizeis-me: “A vida é uma carga pesada”. Mas, para que é esse vosso orgulho pela manhã e essa vossa submissão, à tarde?
A vida é uma carga pesada; mas não vos mostreis tão contristados. Todos somos jumentos carregados.
Que parecença temos com o cálice de rosa que treme porque o oprime uma gota de orvalho?
É verdade: amamos a vida não porque estejamos habituados à vida, mas ao amor.
Há sempre o seu quê de loucura no amor; mas também há sempre o seu quê de razão na loucura.
E eu, que estou bem com a vida, creio que para saber de felicidade não há como as borboletas e as bolhas de sabão, e o que se lhes assemelhe entre os homens.
Ver revolutear essas almas aladas e loucas, encantadoras e buliçosas, é o que arranca a Zaratustra lágrimas e canções.
Eu só poderia crer num Deus que soubesse dançar.
E quando vi o meu demônio, pareceu-me sério, grave, profundo e solene: era o espírito do pesadelo. Por ele caem todas as coisas.
Não é com cólera, mas com riso que se mata. Adiante! matemos o espírito do pesadelo!
Eu aprendi a andar; por conseguinte corro. Eu aprendi a voar; por conseguinte não quero que me empurrem para mudar de sítio.
Agora sou leve, agora vôo; agora vejo por baixo de mim mesmo, agora salta em mim um Deus”.
Assim falava Zaratustra.”
~ Friedrich Nietzsche, em “Assim Falou Zaratustra” (capítulo “Ler e Escrever”)

//////////

Compartilhado por Celio Nunes Leite.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Everywhere is the treasure
“Everywhere is the treasury of endless capacities of followers of the way....
Read More
Join the Conversation

5 Comments

  1. says: Clície Maria Covizzi Alvarez

    Quem sou eu para falar de Nietzshe, e discordar de Osho.Para começar amo os dois e a tão famosa frase dele – “Deus está morto”,que foi interpretada tão erroneamente pela maioria das pessoas, é a mais perfeita forma de dizer que o “seu” Deus era o verdadeiro.O deus que estava morto era o arremedo de Deus, que a sociedade hipócrita e preconceituosa da época vivia, e que de certa forma vive até hoje.Um Deus materialista e injusto.

  2. says: Nando Pereira (Dharmalog.com)

    Nem nada a ver nem tudo a ver. O personagem de Nietzsche é um herói fictício, obviamente, mas cita o profeta histórico no nome, por exemplo, e se vale também do símbolo de poder de sabedoria criar o discurso.

Leave a comment
Leave a comment

Your email address will not be published.