Porque a morte existe e como lidar com ela: a sabedoria de Buda por Acharn Tippakorn Sukhito [FILME]

Após o sucesso do post com o belo filme de 13min do diretor alemão Jörg Dittmar intitulado “Karma“, publicado aqui há dois dias, segue abaixo o outro curta-metragem tão ou ainda mais bonito e profundo que o anterior, do mesmo diretor, intitulado “O Teste Final” (The Ultimate Test). São 10min no mesmo monastério Ban Sawang Jai, com imagens em alta definição (HD 1080) e para alta contemplação, onde o tema é um dos mais profundos e talvez um dos mais evitados: a morte. O Venerável Ajaan Tippakorn Sukhito, abade budista do monastério tailandês, invoca os grandes ensinamentos do Buda e responde porque a morte existe, porque tememos a morte, como evitar o sofrimento mental e como devemos todos nos preparar para o teste final, a experiência da morte que todos teremos. São 10 minutos que trazem uma reflexão séria e magnânima sobre uma experiência que será realidade para todos nós que estamos aqui.

O monge fala em tailandês, com tradução de áudio para o inglês e narração de Jonathan Lloyd, e tradução e legendagem em português pelo Dharmalog. Para ativar as legendas em português, clique em “Select Language” no box cinza embaixo do vídeo (caso o vídeo não apareça, recarregue esta página ou use este link alternativo).

Compartilhado por Karla Mattos Vaidyaratna

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Time and infinite, by Sai Baba
“To everyone of us there must come a time when the whole...
Read More
Join the Conversation

8 Comments

  1. says: norma

    Segundo o Budismo, a vida é eterna. Ela não acaba com a morte. A morte é um dos aspectos da Vida (latente), então não há porque temê-la. (Dá um certo conforto lembrar-se da alegoria do “Navio”…)
    ++++++++
    De concreto, dois médicos distintos, que já acompanharam o desenlace de pessoas que professam o Budismo. Um, foi um relato em uma palestra e outro uma conversa pessoal que tive. Ambos mencionaram a tranquilidade absoluta (desapego bem elaborado ) em ambos os casos e o paciente de um deles, que tinha condições físicas para orar, assim o fez até o tranquilo final. Essa ‘senhorinha’, de idade avançada, levou muito, muito mais tempo do que apontado pela ciência para iniciar o “rigor mortis”, o que espantou a todos, inclusive a esse meu amigo que assinou o Atestado e que apesar de ser íntimo da família da senhora, de longa data, ainda segue os “homens e não a Lei” *.
    (*) palavras dele.
    Grata e Boa Sorte!

    1. o Budismo assim como o Espiritismo nó preparam para o dia do retorno ao mundo espiritual, não temos medo. se eu não fosse
      epirita hoje com certeza seria Budista, me encanta tudo o que vem do Oriente.

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *