“Apesar de temermos conscientemente não sermos amados, o temor real é outro”

“Apesar de temermos conscientemente não sermos amados, o temor real, ainda que inconsciente, é o de amar.”
– ERICH FROMM (em “A Arte de Amar”)

Fromm diz logo na frase seguinte que amar é “entregar-se sem garantias”. É um ato de fé. Ele tenta falar da fé, mas se abstém depois de um certo tempo, pois é algo poético, ele diz. Como uma confiança de base, pré-embutida, ao mesmo tempo sutil e forte, que traz em si nenhuma garantia.

Logo depois ele emenda dizendo que é um entregar-se sem garantias “na esperança de que nosso amor produzirá amor na pessoa amada”. Essa expectativa é um problema, e não sei se entendo ou concordo com o que Fromm diz aqui. Talvez, se for de maneira muito leve e sutil, isso seja um desejo saudável. Talvez, se não for obrigatório, talvez, se o amante não se sentir não-amado, talvez talvez. Mas a parte do sem garantias é mais importante, porque é sem demandas. A demanda quebra o amor.

Mas o importante da frase original colocada acima é o medo de amar. Isso precisa de uma boa reflexão. Porque temeríamos amar? O que há de tão assustador nisso?

A autora americana Marianne Williamson diz que “nosso maior medo não é o de sermos inadequados, mas o de sermos poderosos além da nossa imaginação”. Ela diz que tememos saber quem somos. “Quem sou eu para ser brilhante, talentoso, fabuloso?”

Adaptando ao Fromm: quem sou eu para ser tão capaz de amar?

#amor #amar #erichfromm #aartedeamar #medo #medodeamar #autoconhecimento #mariannewilliamson #frasedodia #confiança #fé #entrega #reflexões #espiritualidade #amemseunsaosoutros #quemsoueu #ucem #psicologia

* * * * *

Publicado também no Instagram do @_dharmalog. Siga aqui

Tags from the story
,
More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
“Que amor implica cuidado é mais do que evidente”: aprendendo a arte de amar, por Erich Fromm [LIVRO]
“Além do elemento de dar, o caráter ativo do amor torna-se evidente...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published.