A história do sujeito que fugiu da Morte em Barcelona para encontrá-la em Marrakesh

Você encontra seu destino na estrada que você pega para evitá-lo.
– JEAN DE LA FOUNTAINE (1621-1695)

Não sei quantos contextos pode ter essa frase, mas um deles certamente é a de que não podemos fugir das coisas. E se fugimos, é porque já estavam em nossa rota. Ao alterar nossa rota por causa dela, estamos de alguma maneira fortalecendo sua presença e importância. Essas coisas não são externas, não acontecem ao acaso como se fosse um tufão passando por um chão de folhas secas, elas estão acontecendo a partir da uma matriz, que somos nós mesmos. Ao fugir, estamos alocando uma quantidade de energia e um sistema de evitação enormes que estarão sempre dedicados a essa tarefa de evitar e fugir dessas coisas. Essas mesmas coisas que teremos que resolvê-las algum dia. Porque fugir não as soluciona, mas as prende. “O que você resiste, persiste“, dizia Carl Jung.

É o próprio ato de evitar que suspende a fruição das coisas e estabelece a necessidade da resolução – que aqui entende-se como uma resolução em um tempo futuro, e usa-se a palavra destino.

Conta-se a história de um cara que ao sair de um mercado em Barcelona encontrou a Morte vindo em sua direção na calçada oposta. Quis mudar de direção para que a Morte não o visse, mas se deu conta que não era mais possível. No dia seguinte fez as malas e rapidamente viajou para Marrakesh. Chegando lá, assim que saía do hotel para jantar, esbarrou com a Morte. Ela disse: “Olá! Fique tão surpresa ao encontrá-lo ontem em Barcelona. Porque eu sabia que tinha um encontro com você hoje em Marrakesh“.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Quadrinhos famosos celebram Earth Day
Dica do TreeHugger, vinda do King Features (tem mais lá).
Read More
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *