O maior feito da cultura moderna é sua brilhante maneira de vender o Samsara, por Sogyal Rinpoche

“Esta sociedade moderna me parece uma celebração de todas as coisas que nos afastam da verdade, tornando difícil viver para esta verdade e desencorajando as pessoas até mesmo a acreditar que ela existe. E pensar que tudo isso brota de uma civilização que alega adorar a vida, mas de fato a priva de qualquer significado real, que fala sem parar sobre fazer as pessoas “felizes”, mas de fato impede seu caminho para a fonte da verdadeira felicidade.

O maior feito da cultura moderna é sua brilhante maneira de vender o samsara e suas distrações estéreis.

O samsara é altamente organizado, versátil e sofisticado. Inclusive sobre nós de todos os lados com sua propaganda, criando à nossa volta uma cultura de dependência quase inexpugnável.

Obcecados, então, por falsas esperanças, sonhos e ambições que nos prometem a felicidade mas conduzem somente à miséria, somos como forasteiros rastejando num deserto sem fim, morrendo de sede. E tudo que este samsara nos oferece para beber é um copo de água salgada, com o propósito de deixar-nos ainda mais sedentos.”

— SOGYAL RINPOCHE (em “O Livro Tibetano do Viver e do Morrer”)

Quanto mais consciência tomamos de que estamos presos nessa dimensão samsárica, mais assustadora é a visão dele, a visão de que todos estamos perambulando como que hipnotizados por suas engrenagens profundas. E uma de suas mais espetaculares capacidades é a de permanecer no nosso subterrâneo psíquico, sem que façamos a menor idéia de que estamos funcionando dia após dia, momento após momento, pelas suas desorientações.

É fato que todos nascemos nessa dimensão humana samsárica, e assim herdamos rapidamente toda a série monumental de mentalidade, comportamento e modo de vida que essa cultura e essa sociedade nos impõem, mas logo cedo também começamos a reproduzir e coparticipar intensamente dessa estrutura de ilusão coletiva. E isso acontece do modo mais superficial, nas ações externas, como no modo mais profundo, na mente subjetiva, com sua obsessão pelo tempo artificial (passado e futuro), auto-imagem, identificação e ilusões.

Isso necessita do maior feito que poderemos realizar individualmente nesta vida, que é o de despertar disso. Tentar começar de fora pra dentro é apenas mais um dos truques do Samsara para nos manter no campo fechado da ilusão individual. Ocupados com exterior, não fazemos nada no interior. Só começa a mudar de fora pra dentro que tem a equivocada idéia de que não há necessidade do despertar em si mesmo. Samsara.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Consolo na Praia, Drummond
Consolo na Praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores… A infância...
Read More
Join the Conversation

2 Comments

  1. says: Gleison

    Olá, bom dia!
    Excelente!
    Como sempre, a escolha do texto e os comentários!

    Ps: queria montar um texto sobre banalização de cultura. Ou sociedade do espetáculo. E essa referência caiu como uma luva.
    Poderia me dizer qual o capítulo do livro ” o livro tibetano do viver e morrere” está esta citação?
    Desde já agradeço!
    Grande abraço!

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *