O que vale mais no carma: intenção ou ação? A visão budista por Traleg Kyabgon

Esse tema pode ser bem complexo, embora pareça simples. Muita gente que faz algum tipo de mal ao outro pode dizer “mas eu não tive a intenção“, e, em um nível, isso pode ser verdade. Mas se temos uma postura de negligência ou se estamos agindo com extremo auto-centramento, será que podemos dizer que faltou aí a intenção de não prejudicar os outros? Em outra dimensão, se não há exatamente uma ação sendo feita, mas em pensamento eu desejo o mal do outro, e faço isso constantemente, será que isso não produz algo na minha realidade? ?
?
O trecho a seguir é do livro “Carma”, de Traleg Kyabgon, por @lucidaletra.?

“CARMA” (trecho)
Por Traleg Kyabgon
??
“Outra questão fundamental na visão do Buda sobre o carma é a intenção. Ações cármicas estão intimamente relacionadas com a nossa intencionalidade. Apesar de “carma” literalmente significar ação, não é apenas a ação em si que tem relevância. A intenção com a qual os atos são realizados é, na verdade, mais importante do que a ação em si. Pode-se ver isso claramente, por exemplo, (…) em regras de conduta para monges e monjas. No caso, as ações são julgadas claramente em relação às intenções do ator, o que é muito diferente das muitas filosofias do tempo de Buda. Os adeptos do Jainismo, por exemplo, promoveram a ideia de ahimsa, que significa “não causar danos”. Eles usam (até hoje) máscaras faciais para evitar que um inseto infeliz voe para dentro de suas bocas e andam com os pés descalços para evitar pisar em formigas no chão. Não o fazem para se proteger dos insetos, mas sim para proteger os insetos do ser humano. Pode-se descrever a ideologia por trás desse tipo de ação como carma sem intenção. Mas, de acordo com o Jainismo, a intenção de matar não faz diferença, porque o ato é o mesmo — a intenção não tem relação com a consequência. O Buda pensou o contrário, e colocou um peso maior na intenção. Agir com ignorância não tem o mesmo efeito da ação realizada com intenção. Junto com essa lógica vêm ideias relacionadas à intenção: o grau de deliberação com o qual se faz alguma coisa, o grau de planejamento e premeditação. O Buda foi muito claro quanto à importância desses fatores (…).”?

?
Foto: Kathmandu, por @strikerumang

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Experiências memoráveis de meditação (e outras nem tanto), por Erric Solomon
  Ninguém realmente consegue planejar ou programar uma experiência de “pico” (digamos...
Read More
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *