Mundos Internos, Mundos Externos: documentário faz viagem pelo universo com Bóson, Tesla, Vedas e Buda [FILME]

“A real crise em nosso mundo não é a crise social, política ou econômica. É uma crise de consciência, uma incapacidade de experimentarmos diretamente nossa verdadeira natureza. Uma incapacidade de reconhecer essa natureza em todos e em todas as coisas.”
~ trecho de Inner Worlds Outer Worlds (2012)

Um documentário recém-lançado e intitulado “Mundos Internos, Mundos Externos” (Inner Worlds Outer Worlds), do canadense Daniel Schmidt, explora de maneira rica e visualmente atraente a conhecida sabedoria antiga – Védica e Hermética – que afirma que “Assim como no microcosmo, também no macrocosmo”. Reunindo conhecimento atualizado como a descoberta recente do Bóson de Higgs, trazendo conhecimentos ancestrais como dos Vedas, do Budismo e da Kaballah, passando por insights de cientistas como Nikola Tesla (“estudou com Swami Vivekananda”, um conhecido yogue indiano) e do matemático Benoit Mandelbrot, além de citar de passagem Heráclito, Einstein, Goethe, Richard Feynman e Kierkegaard e buscando o cruzamento dessas fontes de conhecimento, “Mundos Internos Mundos Externos” também apresenta com riqueza visual os caminhos que a ciência e a sabedoria antiga percorrem para entender o universo, como os padrões de fractais (de Mandelbrot) e dos sons na matéria física como areia e água (de Chladni).

A primeira parte do documentário, que segue abaixo na íntegra e legendada em português (única parte legendada por enquanto), é chamada “Akasha“, uma palavra em sânscrito que pode ser traduzida como “éter” ou “espaço“, algo como um vácuo ou o “nada”, ou ainda, por aproximação, algo para o qual o Bóson de Higgs parece se aproximar. Mas, “como Einstein percebeu, o espaço vazio não é realmente vazio“. Com a voz prodigiosa da narração de Patrick Sweeney, essa parte do documentário traz cenas deslumbrantes como a sequência de fractais em movimento a partir do minuto 8:18 (um pouco antes há o buddhabrot) os efeitos da vibração e do som na água e na areia (Cimática), imagens do universo da Nasa e da Esa, animações com imagens de Buda e de laboratórios científicos, e também explora o conceito ocidental de Logos, o conceito védico de Nada Brahma, as possibilidades das descobertas da meditação e, no fim, encerra com uma citação budista sobre o Dharma.

O diretor Daniel Schmidt também é músico e professor de meditação, e diz que fez o documentário para sintetizar e divulgar o que estava começando a enxergar com a própria prática. “Conforme foi percebendo por insights meditativos, Daniel viu que as mesmas realizações já tinham sido descobertas por tradições espirituais ao redor do mundo e que todas as tradições compartilhavam um mesmo ponto místico em comum”, informa o site oficial do documentário.

“Assim como acima, abaixo.”
~ Hermes Trismegistus, na Tábua de Esmeralda

Abaixo segue a primeira parte de Inner Worlds Outer Worlds, “Akasha” (31min). Para mais informações, acesse o site innerworldsmovie.com.

Veja a continuação da série com os outros capítulos deste documentário: PARTE 2PARTE 3 e PARTE 4.

Compartilhado por Donizete Firmino.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Invisibilidade social – III
Invisibilidade social, a doença burguesa – III Um exemplo que aconteceu comigo....
Read More
Join the Conversation

17 Comments

  1. says: Thiago Macedo

    Caraca, ainda não ví, mas muito bombástico o texto. Bela apresentação.
    Estou amando ver a sintese acontecer bem na nossa frente. Estamos nadando…

  2. Belíssimo vídeo…compêndio dos estudos clássicos e modernos acerca da essência de nossa existência, do cosmos. Para rever e refletir inúmeras vezes. Material mais bonito que tomei conhecimento pelo Dharmalog. Namastê!

  3. says: Graça

    Fiquei impactada com este vídeo!Quantos conceitos conseguiram converter em formas para torná-los assimiláveis.
    Quantas formas padrões ( belíssimas ) surgindo de uma forma primordial…E a vibração do som em diferentes frequências, produzindo diferentes formas padrões!
    È muito mistério e beleza pra nossa limitadíssima compreensão!Mas tudo isto atiça nossa intuição, fazendo-nos captar o mundo de uma forma muito mais ampla do que nos revela o nosso “mundinho” condicionado.
    Vivekananda, o monge citado no vídeo tem um livro publicado no Brasil: O que é religião.Eu o adquiri do Centro Ramakrishna de Belo Horizonte.É o pensamento mais arguto que já li sobre o tema e de valor inestimável!Foi realmente, um profeta dos novos tempos. Morreu no início de século XX com menos de 40 anos.
    Muito obrigada por partilhar o vídeo conosco!

  4. says: Eduardo B. Costa

    Sou da Gnose de Samael Aon Weor, tenho todos os documentários da Física Quântica (What the Bleep do we know?), Conecção atlante e Olho de Hórus de Fernando Malkun, além de muitos outros maravilhosos. Com relação a este vídeo fiquei de cara com a riqueza de conteúdo e detalhes, so vem a nos enriquecer ainda mais com o conhecimento das esferas superiores. A Gnose trata e ensina como trabalhar-nos interiormente através deste conhecimento de que trata o filme, para que saiamos definitivamente desde ciclo reencarnatório de sofrimento contínuo e, voltemos ao Absoluto, para junto do Pai vivenciar a verdadeira felicidade que é indescritível para nossos padrões terrenos.

  5. Akasha= prana= a energia básica primordial que sustenta os mundos, chamado pela Física quântica de “energia escura” e não pode ser vista (?)- energia bioplásmica, dos cientistas.
    Você pode ver o prana: fique encostado a uma parede, na sombra, com o sol nas suas costas. Faça algumas respirações profunda, sem forçar os pulmões, estando com os olhos fechados; abra então os olhos e olhe fixamente para um ponto distante no espaço vazio; em alguns minutos você começará a ver minúsculos pontinhos luminosos dourados dançando uma dança frenética; perceba que não há ilusão de ótica nesta simples prática, pois sua visão poderá acompanhar de forma individual alguns destes pontinhos luminosos que surgem e desaparecem rapidamente. (Toninho Claro – Lins, SP)

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *