Um conto singelo e contemplativo de Lydia Davis e o que fazer “se não quiser pensar neste momento” [TRECHO]

Li o pequeno trecho abaixo (que é um capítulo inteiro de uma obra) de passagem numa livraria e achei de uma singeleza divertida: é do livro “Tipos de Perturbação” (Companhia das Letras, 2013), da contista americana Lydia Davis, que esteve presente na 11ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) em julho passado. Davis também é romancista, ensaísta e tradutora do francês para o inglês de autores como Marcel Proust e Gustave Flaubert. Numa entrevista recente concedida no Brasil ao G1, Davis disse que está preocupada com a nova geração que não está mais aproveitando o momento (“quando há um momento de silêncio durante uma conversa, logo pegam o celular para ver se tem alguma mensagem” e  também que “estamos perdendo a habilidade de focar em uma coisa por vez“.

Apesar do conto abaixo tratar do movimento do pensamento (que lembra meditação e outros auto-contatos), o livro trata de assuntos diversos da vida e do cotidiano, e foi indicado ao National Book Award em 2007.

Segue o pequeno conto:

Conhecendo seu corpo

 

“Quando seus globos oculares estão em movimento,
quer dizer que você está pensando, ou prestes a pensar.

 

Se não quiser pensar neste momento,
tente manter seus globos oculares parados”.

 

~ Lydia Davis, em “Tipos de Perturbação”, cap. “Conhecendo seu corpo” (p. 79)

//////////

Imagem: trecho da capa de “Tipos de Perturbação”, edição Companhia das Letras (2013).

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Krishna, friend of all
Krishna, friend of all “It is true, even as you said, that...
Read More
Join the Conversation

4 Comments

  1. says: norma7

    Opa! “ou prestes a pensar.” – lembrou-me o G. Wener-. será que impulsos elétricos (no caso ligados ao nervo óptico) surgem antes do próprio pensamento?

    Não é um cap. grande mas é um grande capítulo!
    Bom findi, Norma

  2. says: Marcos Ferreira

    Para estar neste momento fique com o observador do pensamento e penetre no mistério. Os pensamentos, as emoções e todos os fenômenos são auto-exibições da mente primordial. Perder-se no que aparece é a distração, uma das facetas da continuidade do sofrimento.

  3. says: Marcos Ferreira

    ” focar em uma coisa por vez” eh vipassyana, a visão clara dos budistas. Samadhi eh a mente que observa o nascer e o morrer dos fenômenos, sem se perder nos objetos. De novo, Alan B Wallace, em ” A Revolução da Atenção”

  4. tudo é digno de observação, não há muito aprendi a observar meus movimentos, e claros quando pego absorto me vejo meditando é o nada encontrando-se com o todo, neste momento sou o cosmo, deixo a minha pequena existencia para ser o todo, e me sinto quieto em plenitude parte do todo a não necessidade do movimento, isto é o quietar do globo ocular. o todo sem movimento e com todo o movimento

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *