Sobre lógica, medo, compaixão e sintonia com o universo: a visão do autor de “The Dude and the Zen Master”

O seguinte diálogo é um trecho da entrevista que o instrutor de meditação Robert Piper fez com o mestre Zen Bernie Glassman, autor do livro “The Dude and The Zen Master, em parceria com o ator americano Jeff Bridges e lançado na semana passada nos Estados Unidos. Publicada na íntegra no site Elephant Journal, a pauta da entrevista inclui a relação do ser humano com sua idéia de “agir”, o predomínio da lógica Aristotélica no mundo ocidental e a compaixão sem medo.

Segue o trecho:

Você fala de um assunto no livro que é o universo dando sempre uma abertura a nós.

O universo está sempre fazendo isso. Podemos achar que estamos agindo, mas na verdade o universo está agindo e nos atraindo para a ação, e nossas ações aparecem disso.

 

Você fala em estar mais sintonizado com isso.

Isso certamente é a prática da meditação que é parte dessa idéia. Há diversos tipos de prática em muitas tradições para nos colocar em sintonia com o universo. Para que possamos rezar e improvisar com isso.

Uso a metáfora da banda de jazz – primeiro você afina, se junto, e então começa a improvisar. Você nunca sabe o que alguém vai fazer, para então você criar grande música.

 

Você também fala no livro sobre como o Ocidente é tão confinado à lógica Aristotélica.

Sim, há diferentes sistemas de lógica que apareceram em diferentes partes do mundo. A sociedade ocidental é majoritariamente baseada na lógica Grega. Na Ásia, há sistemas diferentes de lógica, sistemas que tende a mudar o modo que pensamos.

Escolhemos um outro sistema de lógica e podemos chegar a algo completamente diferente, e isso acontece na ciência. As coisas vão acontecer e de repente o sistema lógica que tínhamos não funciona.

Um exemplo é a luz – foi descoberto que a luz é ao mesmo tempo uma partícula e uma onda.

Agora a lógica Aristotélica diz: mas isso não pode ser. Você é um ou outro. A lógica asiática diria que você pode ser ambos.

 

Gosto da parte do livro onde você diz, ‘As pessoas ficam estagnadas frequentemente porque tem medo de agir; no pior cenário, como no caso do caso do jogador de boliche experiente, nós ficamos tão apegados a algum resultado que não conseguimos funcionar. Precisamos de ajuda para nos mover, só que a vida não espera”.

Acho que muitos dos nossos problemas neste mundo são parte desse conceito; o medo é uma coisa imensamente poderosa.

Claro, e pessoas tem usado o medo para controlar as massas, para conseguir que você faça o que eles querem.

 

Você sabe, vejo muitas pessoas que não agem compassivamente porque o processo de pensar delas é baseado no medo. Elas tem todos esses pensamentos, “Se eu eu der isso a essa pessoa, ela podem me trair”, “Se eu fizer algo por ele, a longo prazo, posso me dar mal”.

O alfabeto chinês tem ideogramas para as palavras, e a palavra “compaixão” consiste de dois ideogramas, um sendo basicamente “compaixão” e o outro sendo “a eliminação do medo”.

Isso deveria ser uma grande parte da prática dos mestres Zen, ajudar os estudantes a eliminar o medo.”

~ “The Dude & the Zen Master: An Interview about Making the World a Better Place”, em Elephant Journal

Imagem editada da capa do livro “The Dude and The Zen Master”.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Nós damos significado pro nosso mundo
“Nós damos significado pro nosso mundo pela coragem das nossas perguntas, e...
Read More
Join the Conversation

5 Comments

  1. Adorei ! Essa é uma das coisas que mais, me deixa motivada a saber , como enfrentar esse medo, porque ele paralisa tudo em nossa vida,,seja o que for , quero descobrir como eliminar e seguir a minha vida leve, livre e tranquila.Estou na busca do equilíbrio das minhas emoções,do meu mundo universo e fiquei extremamente encantada com esse livro ,quero saber mais ,como é possível ter paz e equilíbrio,e seguir com a consciência em segurança. E ser muito feliz.

  2. As diferenças entre as lógicas aristotélica e asiática nos levam a repensar conceitos e atitudes que estão arraigados em nossas mentes. O medo é realmente algo paralisante e indesejável para nossa evolução. Vencê-lo é decisivo e libertador. O difícil é enfrentá-lo e tocar nossas vidas com a noção de que a compaixão é fruto da eliminação do medo e sem ela, dificilmente alcançaremos uma vida equilibrada e feliz.

  3. says: Sonia Mignot

    Muito interessante! Eu nunca havia pensado nesse ponto: que a falta de Compaixão tem a ver com o Medo. Creio que a capacidade de ter compaixão é essencial para evoluir espiritualmente.

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *