Siddharta, o filme sobre busca espiritual baseado na obra de Hermann Hesse, na íntegra no YouTube [FILME]

Siddharta“, uma das principais obras inspiradas na busca espiritual de Siddhartha, personagem inspirado no Buda histórico (“Siddhartha Gautama”) e adaptação da obra do escritor alemão Hermann Hesse (1877-1962), publicado pela primeira vez em 1922, está na íntegra no YouTube com legendas em português e com boa qualidade, 360p. Além de ser uma importante obra que explora o caminho da busca da verdade e da iluminação do Buda num personagem que leva seu primeiro nome original, o filme também é bastante elogiado pela cinematografia de Sven Nykvist (ganhador de 2 Oscars)*.

Segue o filme (1h22min):

* OBS.: Este post foi editado para corrigir e adicionar a informação que o Siddhartha retratado neste filme tem inspiração (e de forma clara homenageia) mas não é o próprio Buda histórico (que aparece em uma das sequências em contato com o próprio Siddhartha). É importante notar que o filme não é um documentário, e sim uma ficção baseado no romance de Hermann Hesse – ainda que este seja uma história de busca espiritual similar à de Buda, que viveu na época de Buda, que leva o primeiro nome histórico de Buda e que contem ensinamentos como os que o próprio Buda cunhou e seguiu durante a vida (ex: “não acredite em nada que lhe falem, nem nas escrituras, nem em mestre”).

Compartilhado por Monge Ryozan.

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
Top 3 das top 10 do Steve Jobs
Quem listou foi o Ririan Project, mas as “sabedorias” são de Steve...
Read More
Join the Conversation

11 Comments

  1. says: RS

    O Siddharta que é retratado no filme tem muito pouco haver com o Siddharta Gautama (Buda). A passagem do filme mais parecida à historia de Buda é quando o Siddharta do filme sai de casa, e mesmo assim é diferente da maneira como Buda sai. Fora isso e um ou outro ensinamento, nada tem haver com a história de Siddharta Gautama.
    Aliàs numa parte do filme, Sdidharta e o seu amigo estão com monges budistas, logo o Siddharta retratado no filme nunca pode ser o Buda porque só depois dele é que surgiram os monges budistas.

  2. says: Carlos Faria

    O livro de Hermman Hesse não conta a estória de Siddharta Gautam, o Buddha. E sim a estória de um jovem em uma jornada espiritual durante toda a sua vida. Tanto não é o Buddha, que em um dado momento da história ele tem um breve contato com o Buddha e o descreve como um ser incrível, no entanto decidi continuar sua jornada sozinho, sem seguir aquele professor.

    É um livro excelente, mas não é sobre Siddharta Gautama, o Buddha.

    Mesmo assim, deve valer a pena assistir ao filme.

    Abs!

    1. Perfeito, Carlos. Estou fazendo essa correção e adicionando alguns esclarecimentos. “Siddhartha” é inspirado, mas não é sobre o Buda histórico, e sim sobre um buscador de nome Siddhartha (o mesmo primeiro nome que originalmente tinha aquele que se tornou o Buda), que viveu na época do Buda, que o encontra em certo momento do filme, mas que, como protagonista, não é ele. É apenas uma inspiração (e uma homenagem), e o próprio livro do Hesse é um romance, e não uma biografia.

  3. says: HS

    Obrigado pelo link!

    Gostaria de fazer algumas considerações:

    O Siddharta apresentado neste filme, trata-se do personagem criado por Hermann Hesse para o livro Siddharta. Eu tenho o livro e salvas algumas pequenas diferenças a história é praticamente a mesma contada por Hesse em seu romance.

    Portanto, “Siddharta“, não é uma das principais obras sobre Siddharta Gautama (o Buda) e sim sobre “Siddharta“ o romance escrito por Hermann Hesse.

    Namastê!

  4. says: Norma

    Aceito assim – coração & mente:
    Buda, assim como Cristo, é uma palavra que pode ser entendida como um adjetivo, e não um substantivo. (Estado Búdico)

    A idéia é que “qualquer um” pode chegar a esse ESTÁGIO da consciência, e não apenas uma pessoa especial, quase não-humana, como a tradição ocidental acabou compreendendo a questão.

    “Sidarta Gautama seria UM buda. Não o único, não o primeiro, não o último”.
    Grata.

  5. says: Roberto

    Prezado Nando Pereira,
    muito oportuna a sua postagem sobre o filme de Conrad Rooks, baseado nessa bela obra de Hermannn Hesse. Há tempos sonhava com uma adaptação cinematográfica desse romance/alegoria, que li em minha adolescência. Diga-me, tendo em vista que o link indicado não mais existe, onde posso encontrar essa versão com legendas em português (apesar de compreender razoavelmente bem o inglês, gostaria de compartilhar esse filme com minha família e a tradução facilitaria bastante o contato com essa narrativa iluminada). Obrigado pela atenção. Roberto.

Leave a comment
Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *