De Lobato para Mário

New York, 6 agosto, 930
Meu caro Mário de Andrade,
Muito há de você de espantar-se com esta, vinda d’além túmulo, dum morto que você matou há três anos atrás. Mas há de tudo na vida, até mortos que escrevem cartas aos matadores.
O que me traz é um livro seu – Macunaíma. Tenho cá um editor que deseja conhecê-lo, com palpite que é coisa editável em inglês. Se você está por isso, mande-me um exemplar e se achar que um morto pode representar um vivíssimo, mande também autorização para eu tratar com o homem.
É incrível como dá voltas o mundo! Vou eu ajudar o Mário a publicar-se neste país e ajudar na tradução. Vou sair da cova só para isso. Depois recolherei de novo, porque não existir é a delícia das delícias, meu caro Mário.
Hurry up. Manda logo dois exemplares e depressa.
Do seu matado
M.Lobato
Monteiro Lobato
3505 Broadway,
New York City
(da Cult, pra não deixar dúvida)

More from Nando Pereira (Dharmalog.com)
The risk to blossom
“And the day came when the risk to remain tight in a...
Read More
0 replies on “De Lobato para Mário”